19 de agosto de 2013


Composteira em garrafa PET

      Segundo um estudo realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), Só no ano de 2010 o Brasil produziu cerca de 60,9 milhões de toneladas de resíduos sólidos, além disso, quase 23 milhões de toneladas foram depositadas em locais inadequados como lixões e aproximadamente 54 toneladas foram recolhidas pelos serviços de coleta domiciliar.
       Grande parte do lixo produzido que é destinado à coleta domiciliar poderia ser reutilizado, inclusive o material orgânico que pode ser transformado em adubo e utilizado nos jardins e canteiros.
      Para que o material orgânico possa ser utilizado como adubo sem atrair moscas e mau cheiro é necessário que ele passe por um processo de decomposição, que pode ser realizado em diversos tipos de material, como, caixas de plástico, galões de água e até em garrafas PET. 
       Montar um composteira em garrafa PET é bem simples e todo o processo de decomposição pode ser observado pelas crianças. Para montar são necessárias 2 garrafas de dois litros, tesoura, fita, duas redinhas de cabelo, terra, folhas secas e restos de frutas.

Passo a passo: 
1º - Cortar as garrafas
2º - amarrar a redinha de baixo e fixar as garrafas
3º- colocar folhas secas, terra, alimentos e cobrir com mais uma camada de terra e folhas secas.
4º - amarrar uma redinha em cima para tampar
5º - deixar descansar por 2 meses
6º - retirar o adubo pronto da garrafa


Evite utilizar frutas cítricas e alimentos de origem animal na composteira PET


Fonte texto:
http://www.cnpmf.embrapa.br/publicacoes/circulares/circular_76.pdf
http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2012/03/09/brasil-produz-61-milhoes-de-toneladas-de-lixo-por-ano
Fonte Fotos: http://3.bp.blogspot.com/_JJFTyak6npw/SMufqbYMGtI/AAAAAAAABBw/yGWsiUxqVAY/s400/composting-5.jpg
http://www.brasilescola.com/upload/conteudo/images/garrafa%20pet.jpg
http://www.mazzarello.com.br/bkp-2012/atividades-det.php?id=102303

5 de agosto de 2013

Barco movido a energia solar

        Universidade de Santa Catarina projeta barco solar para estudantes da Amazônia
      Uma equipe da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está buscando maneiras de criar barcos solares. A intenção de desenvolver a tecnologia é contribuir socialmente ao criar um meio de transporte fluvial e alternativo na Amazônia. O barco movido a energia do sol foi projetado com financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, além do apoio do CNPq. As características do veículo levaram em consideração as condições climáticas e geográficas da Amazônia.
      Utilizando esse barco, estudantes serão transportados para as escolas - essa será sua principal finalidade. A embarcação também será utilizada para levar suprimentos aos moradores de comunidades ribeirinhas.
      O barco já está pronto, e, nos próximos dias, ficará ancorado na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. Depois, seguirá para a comunidade de Santa Rosa, no município de Barcarena, próximo a Belém. A transição contará com a ajuda da Universidade Federal do Pará.
      Para o coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) de Energias Renováveis e Eficiência Energética da Amazônia e professor titular da Universidade Federal do Pará (UFPA), João Tavares Pinho, a questão da energia é extremamente importante para a população local. “Há uma necessidade naquela região e nós, da universidade, temos um débito social com essa população. Não adianta só fazer pesquisas de ponta que sirvam para estrangeiros e não para nós, brasileiros”, disse em entrevista à Raquel Couto do MCTI.
       O trajeto escolar é realizado na região por meio de pequenas embarcações movidas a diesel, que poluem os leitos dos rios e estressam os animais devido ao ruído. De acordo com o professor da UFSC, Ricardo Rüter, a intenção é fabricar outros barcos que poderão ser uma alternativa de transporte em diversos locais do Brasil, não apenas da região Norte. Com informações do Inovação Tecnológica.
 Fonte: http://ciclovivo.com.br/noticia/universidade-de-santa-catarina-projeta-barco-solar-para-estudantes-da-amazonia